1. Skip to Main Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

INVESTIMENTO: Nova fábrica da Vital em Cachoeirinha pode gerar até 700 empregos diretos

Escrito por  Diretoria de Comunicação Social 30 Novembro 2018 Publicado em Últimas Notícias
INVESTIMENTO: Nova fábrica da Vital em Cachoeirinha pode gerar até 700 empregos diretos Fernando Planella
Uma das empresas líderes no mercado gaúcho de pães, vai investir até 40 milhões em sua nova fábrica

Uma coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira, 30, na sala de reuniões do Gabinete do Prefeito Miki Breier, marcou o anúncio da construção da nova fábrica da Vital em Cachoeirinha.

A empresa gaúcha que é uma das líderes em produção de pães no Estado, escolheu Cachoeirinha para investir em sua nova planta de produção, que produzirá cinco vezes mais que a atual fábrica que fica na zona norte de Porto Alegre quando tiver cem por cento em operação.

A Vital atende com sua produção hoje, somente a região metropolitana de Porto Alegre e algumas cidades do interior. Com a nova fábrica em pleno funcionamento, o objetivo é atender todo o Rio Grande do Sul, além dos estados de Santa Catarina e parte do Paraná.

A empresa irá se instalar na área da Koch Metalúrgica, que possui 13 mil m² de área construída e possui um terreno de 40 mil m². A Koch irá se transferir para outra área próxima e a Vital só iniciará as obras de reforma da estrutura em seis meses, conforme acordo.

O diretor Paulo Eduardo Wasielewski, afirmou na coletiva que a princípio o investimento da nova fábrica seria em Guaíba, mas questões burocráticas e ambientais devido ao local escolhido acabaram dificultando as negociações, e quando recebeu a proposta de investir em Cachoeirinha na área da Koch Metalúrgica. “Estamos felizes em fazer parte desse polo industrial e queremos ser referência na cidade, pois o melhor pão será feito aqui”, comentou Paulo Eduardo.

Miki deu as boas vindas a Vital, falou de sua alegria pela empresa ter escolhido Cachoeirinha para a criação de sua nova fábrica e dos 700 empregos diretos que vão gerar na cidade, cidade que tem um Distrito Industrial muito forte, com vários acessos viários a toda a região metropolitana, que possui uma mão de obra qualificada e que agora terá uma das maiores produtoras de pães do sul do Brasil. Além disso, Miki frisou que “Essa é mais uma boa notícia para nossa cidade, a chegada da Vital nos proporciona investimentos e empregos diretos e indiretos, que melhoram a vida das pessoas. Quanto mais empresas vierem para nossa cidade, melhor será a capacidade da Prefeitura em dar retorno em serviços ao cidadão”.

Sobre a indústria de pães Vital

A Vital iniciou suas atividades há 20 anos em Porto Alegre.

Em 2006 construíram sua primeira fábrica em terreno próprio na zona norte de Porto Alegre e ela ficou pequena devido ao ritmo crescente de vendas e por isso em 2016 a empresa decidiu que era a hora de buscar uma nova área e assim construir uma nova fábrica de pães.

O faturamento da empresa gira em torno de R$ 40 milhões ao ano e a nova fábrica em plena capacidade aumentará o faturamento para até R$ 200 milhões/ano.

A nova fábrica de Cachoeirinha vai permitir que a empresa opere em todo o estado do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e parte do Paraná. Conforme o diretor Paulo Eduardo Wasielewski, se novos mercados forem alcançados, a fábrica de Cachoeirinha poderá ser ampliada após três, já que tem área suficiente para novas expansões.

A empresa tem 17 lojas próprias na região metropolitana e algumas das grandes cidades do interior, onde vende seus produtos diretamente ao consumidor final. Nos próximos três anos, a empresa pretende chegar a 50 novas lojas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

A Vital foi pioneira em lançar as bisnaguinhas sem conservantes. O diretor Paulo Eduardo afirma que como se trata de um alimento consumido principalmente por crianças, a empresa optou por trabalhar em um produto o mais natural possível. Ele comentou que a empresa está na contramão das empresas do setor, pois trabalham para ter pães com o mínimo de conservantes possíveis, enquanto a concorrência quer produzir pães com um maior prazo de validade, o que aumenta os conservantes de seus produtos. Atualmente, quase a metade da produção de pães da empresa é da linha integral.